quarta-feira, 28 de abril de 2010

Tua Família (Anjos de Resgate)

(Música a ser utilizada no Grupo de Familiares)

Percebe e entende que os melhores amigos
São aqueles que estão
Em casa esperando por ti
Acredita nos momentos mais difíceis da vida
Eles sempre estarão por perto
Pois só sabem te amar

E se por acaso a dor chegar
Ao teu lado vão estar
Pra te acolher e te amparar
Pois não há nada como um lar

Tua família volta pra ela
Tua família te ama e te espera
Para ao teu lado sempre estar (bis)

Tua família!

Às vezes muitas pedras
Surgem pelo caminho
Mas em casa alguém feliz
Te espera pra te amar
Não não deixe que a fraqueza
Tire a tua visão
Que um desejo engane
O teu coração
Só Deus não é ilusão

E se por acaso a dor chegar
Ao teu lado vão estar
Pra te acolher e te amparar
Pois não há nada como um lar

Tua família volta pra ela
Tua família te ama e te espera
Para ao teu lado sempre estar (bis)

Tua família! video

CUIDADO COM O QUE VOCÊ DIZ...

"No futuro, os computadores não pesarão mais do que 1,5 tonelada"
* Popular Mechanics, prevendo a evolução da ciência, 1949

"Penso que há talvez no mundo um mercado para 5 computadores"
* Thomas Watson, presidente da IBM, 1943

"Viajei por todos os lados neste país, e posso assegurar-lhes que processamento de dados é uma ilusão que não perdura até o fim do ano"
* O editor encarregado de livros técnicos da Prentice Hall, 1957

"Tá bom, mas... para que serve?"
* Engenheiro da Divisão de Sistemas de Computação Avançada da IBM, em 1968, comentando sobre o microchip.

"Não há nenhuma razão para que alguém queira ter um computador em casa"
* Ken Olson, presidente e fundador da Digital Equipment Corp., 1977

"Este 'telefone' tem inconvenientes demais para ser seriamente considerado um meio de comunicação. Esta geringonça não tem nenhum valor para nós"
* memorando interno da Western Union, 1876.

"A caixa de música sem fio não tem nenhum valor comercial imaginável. Quem pagaria para ouvir uma mensagem enviada a ninguém em particular?"
* Sócios de David Sarnoff em resposta a sua consulta urgente sobre investimentos em rádio nos anos 20.

"O conceito é interessante e bem estruturado, mas para merecer uma nota melhor do 5, a idéia deveria ser viável"
* Um professor da Universidade de Yale em resposta a uma tese de Fred Smith propondo um serviço confiável de malote. (Smith viria a ser o fundador da Federal Express Corp.)

"Quem se interessaria em ouvir os atores falar?"
* H.M. Warner, Warner Brothers, no auge do cinema mudo, 1927.

"Estou feliz por ser o Clark Gable a quebrar a cara e não o Gary Cooper".
* Gary Cooper, a respeito de sua decisão de não interpretar o papel principal em "... e o vento levou"

"Nós não gostamos do som deles, e música de guitarra está em franco desaparecimento"
* Decca Recording Co., ao rejeitar os Beatles, 1962.

“Máquinas mais pesadas do que o ar são impossíveis"
* Lord Kelvin, presidente da Royal Society, 1895.

"Se eu tivesse pensado a respeito disso, eu não teria feito a experiência. A literatura está cheia de exemplos mostrando que isso não pode ser feito"
* Spencer Silver, a respeito de seu projeto que culminou com os adesivos "Post-It" da 3M.

"Então nós fomos para a Atari e dissemos: 'Hei, nós fizemos essa coisa engraçada, construída com algumas peças de vocês; o que vocês acham de nos financiar? Ou então nós a damos para vocês. Nós só queremos produzi-la. Paguem nossos salários e nós trabalharemos para vocês'. E eles disseram 'não'. Então nós fomos para a Hewlett-Packard, e eles disseram: 'Nós não queremos vocês. Vocês nem terminaram a faculdade'".
* Steve Jobs, fundador da Apple Computer Inc., na tentativa de atrair o interesse da Atari e da HP no computador pessoal projetado por ele e por Steve Wozniak's.

"O professor Goddard não conhece a relação entre ação e reação e a necessidade de ter algo melhor do que o vácuo contra o qual reagir. Ele parece não ter o conhecimento básico ensinado diariamente em nossas escolas secundárias"
* Editorial do New York Times em 1921 a respeito do estudo revolucionário de Robert Goddard sobre os foguetes.

"Broca para petróleo? Você quer dizer furar o chão para encontrar petróleo? Você está louco"
* Operários que Edwin L. Drake tentou contratar para seu projeto de prospecção de petróleo em 1859.

"A bolsa alcançou um teto que parece permanente"
* Irving Fisher, Professor de Economia, Yale University, 1929.

"Aviões são brinquedos interessantes mas sem nenhum valor militar"
* Marechal Ferdinand Foch, Professor de estratégia, Ecole Supérieure de Guerre, Paris.

"Tudo que podia ser inventado já o foi"
* Charles H. Duell, Diretor, Departamento de Patentes dos Estados Unidos, 1899.

"A teoria dos germes de Louis Pasteur é uma ficção ridícula"
* Pierre Pachet, Professor de Fisiologia em Toulouse, 1872

"640 K é mais do que suficiente para qualquer um"
* Bill Gates, 1981

Nós, os estúpidos

A ÁGUA DO MUNDO

de Leo Jaime.



Vou correndo, como se isso me fizesse escapar dos pingos da chuva que se inicia. Menos tempo na chuva, pode ser ilusório, mas tenho a impressão de que ficarei menos molhado, de que chegarei menos ensopado. Com o canto do olho observo o senhor que com a mangueira termina de limpar a calçada, mesmo sabendo que a chuva há de modificar todo o cenário nos próximos instantes. Ou vai trazer de volta toda a sujeira que ele está tirando ou vai lavar outra vez o que ele acabou de lavar.

A água que cai do céu cai purinha, purinha, é o que penso enquanto corro dela. A água que cai do céu. Lembro-me do livro da Camille Paglia em que ela afirmava, ou pelo menos foi o que me recordo de ter dali subtraído, que o homem havia optado por viver em grupo por temor aos fenômenos naturais: chuvas, clima, terremotos etc. Foi preciso se unir contra as forças da natureza. As forças amorais na natureza. Quando passa um furacão levando tudo, bons ou os maus, estão todos ameaçados. Quando chove muito e tudo começa a inundar, anjos e demônios poderão estar, em breve, igualmente submersos. Quando a água falta, senhores e escravos morrem da mesma sede. Há forças mais poderosas que a maldade humana.

Os destinos turísticos são, em sua maioria, lugares interessantes por causa da água. Praias, lagos, rios, cachoeiras: somos naturalmente atraídos pela água. A simples vista para o mar ou rio já torna um ambiente mais interessante. Parece óbvio o que digo mas se levarmos em conta que grande parte do planeta é tomado por água isso passa a ser, sim, digno de nota: vivemos em meio a tanta água e ainda somos tão fascinados por ela! Nosso organismo é também, em sua maior porção, água. Somos água, viemos da água, para a água voltaremos e, enquanto tivermos como aproveitar a vida, queremos fazê-lo perto de alguma fonte de água límpida, na beira de um rio ou mar. Navegando, que seja. Queremos água.

Vivemos, porém, sob o alerta de que a água pode acabar. É preciso economizar. Parece absurdo pois a água é absolutamente indestrutível! Se você toca fogo ela vira fumaça e depois volta a ser água, se congela ela derrete e volta a ser água, seja lá o que se faça com ela, a água volta a ser água depois de um tempo, pura e cristalina. E na mesma quantidade! Pois é. Mas pode voltar salgada. Sabe lá o que é morrer de sede em frente ao mar? O prejuízo maior que a água pode sofrer é a poluição. Uma vez poluída a água pode demorar muitos anos para voltar ao seu estado natural, potável, como os pingos da chuva lá do início.

Volto ao início e ao senhor que tentava varrer uma folha de árvore, pequenina, da porta de seu prédio, segundos antes da chuva começar. Quantos litros de água pura ele desperdiçava naquela tarefa imbecil? Não seria mais fácil varrer a folhinha ou pegá-la com a mão? Aquela água correria para o bueiro e se juntaria ao esgoto cheio de substâncias químicas e de lá iria parar sabe-se lá onde, mas, poluída, demoraria um tempo enorme para voltar para o reservatório d'água da cidade. Este tempo é que pode ser o suficiente para uma cidade entrar em caos por não ter o que beber. A água não vai "acabar" nunca, mas talvez, um dia, não possamos usufruir dela onde e como gostaríamos. Talvez as grandes desgraças naturais não nos metam tanto medo porque o que nos vai derrotar mesmo sejam as folhinhas nas calçadas. Aguadas de estupidez.
23/03/2006

segunda-feira, 26 de abril de 2010

Buscando uma Identidade.

Nem é certeza que seu nome seja mesmo Francisco Sales Caetano,mas é assim que ele diz que se chama.Fora isso,pouca coisa se aproveita,como informação,do que ele diz durante a entrevista.Não sabe a idade, que “está nos papel que se perdeu”,mas quando chegou,há uns dois anos,disse ter 76 anos.O que pode ser certo,a aparência é de mais ou menos isso mesmo.Magro,mirrado,sem camisa,me recebe com um riso estranho no rosto,e assim permanece durante todo o tempo da visita.“Nasceu em que lugar, seu Francisco?”“Massapê”,é a resposta,que demora um pouco a vir;talvez procurando na memória o lugar em que nasceu,ou talvez procurando mesmo o jeito de falar,quem sabe? Que foi casado,sim,mas a mulher já morreu,faz tempo.Filhos?Sim,duas meninas,com esforço repete os nomes das duas:Daniele e Mocinha.Que uma delas recebe a sua aposentadoria,não sabe qual das duas.Nem em que elas trabalham ou onde vivem.Não lembra como chegou ali,conta uma mirabolante história de que veio num carro do governo para trabalhar na estrada,desceu do carro e os outros não esperaram.Mirabolante, eu disse?Ora, bem que poderia ser verdadeira,ou talvez faça parte de uma experiência vivida anteriormente,quando mais jovem.Não dá pra saber.O que se sabe,de fato,é que ele apareceu no primeiro dia do ano de 2009,logo depois do meio dia,e chamou a atenção de dona Eliane pelas idas e vindas diante de sua casa,numa localidade rural.A princípio pensaram tratar-se de algum bêbado, até sentiram um pouco de medo, mas depois, vendo que já ia anoitecer e ele continuava por ali, resolveram aproximar-se. Trouxeram-no para casa: todo arranhado e meio morto de fome e sede.Sem nenhum documento e sem nenhuma informação de quem era ou de onde vinha. Tiveram pena, e ficaram com ele em casa.Passou a fazer parte da família, mas de vez em quando diz que vai embora.Deve ser nos momentos raros em que lembra que tem família em algum lugar.Mas não sabe dizer pra onde quer ir,apenas quer sair sem rumo. Lembra de repente que tinha um apelido(Chico Caralho),a mãe se chamava Gerônima(ou Jerônima)e o pai Sales Caetano.Em Massapê ninguém soube dizer de alguém com as suas características que tenha desaparecido.Mas agora há novas informações(se forem verdadeiras).

Lorotas e Marmotas da GLOS: Matemática e gatos

Lorotas e Marmotas da GLOS: Matemática e gatos

Matemática e gatos

Hoje fiquei sabendo de uma pessoa que abandonou os estudos por não "concordar", aqui caberia melhor por não entender, as regras da matemática, em especial aquele lance do mais com mais dá mais, e menos com menos também dá mais...rsrs...resultado: foi criar gatos, adotando e trazendo pra casa bichanos abandonados, e já tem 60 animais em casa, que por sua vez acabou resultando no fim do casamento; a esposa não aguentando a convivência com tantos felinos foi-se embora! Ou, como dizemos por aqui, "pegou o beco!" Pode uma coisa dessas? video

sábado, 24 de abril de 2010

Enfim, A Formatura


Ontem foi a formatura do meu segundo filho, em Ciência da Computação. Solenidade de Colação de Grau, no Ginásio Paulo Sarasate. Aqui, na esquina de casa. Mas eu passei a tarde na casa de uma amiga, assistindo filmes, comendo bolo, pipoca, tomando guaraná e café, e por pouco não chego atrasada no Paulo Sarasate. Quer dizer, cheguei bem depois do horário marcado para iniciar a solenidade, mas é claro que passou longe de começar na hora certa. Pensei: não vou conseguir ver meu filhote no meio dessa multidão! Meio atordoada olho à minha volta, pro alto das arquibancadas, e me sinto salva pelos cartazes que identificam o lugar de cada curso. Que alívio! De lá, já sentada, olho pra baixo e distingo, na lateral da quadra, um pequeno grupo que conversa e ri, se abraçam e fazem pôse para fotos. Um está de costas, mas eu nem preciso muito para saber que aquele é o meu Serginho. E é! Usando um longo vestido preto com babador rendado branco,e uma faixa azul claro na cintura...espere, mas não era pra ser azul mais escuro? Enfim, que importa? É o meu filho, e está se formando!!!Pego o telefone na bolsa, ligo pra ele, e vejo, emocionada, ele tentando alcançar o celular por baixo da beca. Sinto um nó na garganta quando ele se vira, após desligar o telefone, me procurando com os olhos. Volta a guardar o celular no bolso sob o jabô, e sobe as arquibancadas em minha direção. Agradeço a Deus, mentalmente, por esse momento.

retalhos: o menino que carregava água na peneira

retalhos: o menino que carregava água na peneira

O Mistério de se Corrigir uma Prova


Aqui do lado a minha filha corrigindo provas. Mas faz uma pausa pra ver comigo o filme Morke(O Mistério da Vila).Do meio pro fim, porque eu já estava assistindo quando ela chegou aqui. Explico-lhe rapidinho como foi a parte que ela perdeu, e seguimos em frente. Como sempre: discutimos o roteiro, imaginamos o final, criamos as cenas...kkk!Quando ela volta pras suas provas, cobra de mim a participação que deu ao assistir o filme. Ok! Como ela mesma diz, eu sou a mãe!Discutimos uma das questões(da prova, não do filme), a forma como foram atribuídos os escores, e concordamos na total falta de senso nesse ponto. Voltamos ao conteúdo, e não consigo segurar a gargalhada quando ela me mostra uma das questões da prova, e acrescenta que acha muito engraçado quando alguns alunos dão a resposta que vai agradar ao professor, mesmo que não seja realmente o que pensam. E não é assim que tem que ser? O aluno precisa da nota pra ser aprovado.Eu adoraria, do fundo do meu coração, postar aqui a questão 3 dessa prova, e discuti-la desde a elaboração às respostas oferecidas pelos alunos. Mas sou impedida, afinal, o argumento é forte:"Mãe, tá querendo que eu seja demitida?". Tá bom, você venceu, não posso correr esse risco;afinal,você acabou de trocar de carro...mas quer saber? Valeu pela discussão sobre "ecumenismo", foi deveras gratificante. E fique tranquila, minha Su, não vou dizer aqui o que seus alunos escreveram sobre isso na prova.

sexta-feira, 23 de abril de 2010

Pérolas


Está decidido: vou comprar um colar de pérolas! Claro que não serão pérolas verdadeiras, mas e daí? Eu também não tenho conseguido ser muito verdadeira ultimamente; sempre com a sensação de que estou em um palco, representando não um, mas vários personagens que nada têm a ver comigo. De repente lembro do menino que insistia em carregar água na peneira, mas me sinto envergonhada por imaginar que sou como ele; porque aquele menino é um poeta, enquanto eu...

Strange Fruit ( Poema de  Lewis Allan, pseudônimo de  Abel Meeropol, publicado em 1936. ) Southern trees bear strange fruit, Blood on th...