Pular para o conteúdo principal

Caminhando e Cantando

Hoje decidi retomar meu ritmo de caminhada e estudos diários, que eu tinha meio que deixado de lado. Por causa da Copa, alguns pensarão. Pura preguiça e comodismo, eu digo. Enfim.  Não quis ir muito longe, todo recomeço é um pouco difícil, e parei por ali pela Praça Bárbara de Alencar, a menos de 5 minutos de casa. E eu gosto muito dessa praça, apesar de pequena; não foi a primeira vez que caminhei ali. Hoje ela estava tomada por um grande grupo de trabalhadores da construção civil, talvez de uma obra do lado da praça. Já havia uma moça, dando voltas por ali, e eu não diminuí o ritmo, mesmo tendo que passar quase pelo meio do grupo de operários. Mais ou menos pela terceira volta um deles gritou algo que não entendi, até porque não estava prestando atenção, concentrada em meus pensamentos. Mas alguma coisa me alertou que aquele grito fora dirigido a mim. Olhei ao redor e vi que a outra moça já não se encontrava na praça. Era só eu e aquelas caras, além de alguns taxistas sentados em um banco conversando animadamente e das pessoas que esperavam ônibus numa parada ali na praça. Havia também um rapaz tentando fazer cesta na quadra de basquete do meio da praça.
Não me intimidei e nem alterei o passo. Nem me passou pela cabeça mudar de caminho, estava tão tranquila que mal me reconheci. Ao passar pelo grupo o mesmo rapaz e mais um outro disseram algumas gracinhas, bobagens que não me ofenderam e nem mesmo me afetaram.  “Peões sem educação, são todos iguais”, pensei de imediato, do alto do meu preconceito. Continuei meu caminho, mas escutei um terceiro do grupo chamar a atenção dos dois colegas, como se estivesse censurando-os pelo comportamento. Ainda dei umas quatro voltas pela praça antes de ir pra casa, e ninguém mais daquele grupo se dirigiu a mim de nenhuma forma. Fiquei refletindo sobre a facilidade que temos em estereotipar e rotular as pessoas e me senti agradavelmente feliz por estar enganada acerca daqueles rapazes. Dois grosseirões não representavam, de modo nenhum, o grupo a que pertenciam. Na verdade nem mesmo o terceiro rapaz seria um representante da turma, mas, me lembro de ter pensado que sim. Questão de conforto.  Normalmente eu dou umas 10 voltas naquela praça, o que juntando ao meu percurso de ida e volta pra casa, os três andares de escada que eu subo e desço no meu prédio, me parecem de bom tamanho para a atividade física do dia. Mas creio que hoje passei da conta, perdi a conta, devo ter dado umas quinze voltas mais ou menos; quem sabe dezesseis.
Foto: Internet

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Riqueza Semântica

Um político que estava em plena campanha chegou a uma  cidadezinha, subiu em um caixote e começou seu discurso:

Compatriotas, companheiros, amigos! Nos encontramos aqui convocados,reunidos ou ajuntados para debater, tratar ou discutir um  tópico,tema ou assunto, o qual é transcendente,importante ou devida ou morte.. O tópico, tema ou assunto que hoje nos convoca, reúne ouajunta, é  minha postulação, aspiração ou candidatura à Prefeitura deste Município.

De repente, uma pessoa do público pergunta:

- Escute aqui, por  que o senhor utiliza sempre três palavras para dizer a mesma coisa?

O candidato responde

- Pois veja, meu senhor: A primeira palavra é para  pessoas com nível cultural muito alto, como poetas, escritores, filósofos etc.  A segunda é para pessoas com um nível cultural médio como o senhor e a maioria  dos que estão aqui. E a terceira palavra é para pessoas que têm um nível cultural muito baixo, pelo chão, digamos, como aquele bêbado ali jogado na  esquina.

De imediato, o bêbado …
Strange Fruit
( Poema de Lewis Allan, pseudônimo de Abel Meeropol, publicado em 1936.)

Southern trees bear strange fruit,
Blood on the leaves and blood at the root,
Black body swinging in the Southern breeze,
Strange fruit hanging from the poplar trees.

Pastoral scene of the gallant South,
The bulging eyes and the twisted mouth,
Scent of magnolia sweet and fresh,
Then the sudden smell of burning flesh!

Here is fruit for the crows to pluck,
For the rain to gather, for the wind to suck,
For the sun to rot, for the trees to drop,
Here is a strange and bitter crop.


Autismo. Filme francês"O cérebro de Hugo"