Pular para o conteúdo principal

Uma fábula,mil reflexões.

O Marceneiro e as Ferramentas 

Contam que, em uma marcenaria, houve uma estranha assembléia. 
Foi uma reunião onde as ferramentas juntaram-se para acertar suas diferenças. 

Um martelo estava exercendo a presidência, mas os participantes 

exigiram que ele renunciasse. 
A causa?Fazia demasiado barulho e passava todo o tempo golpeando. 
O martelo aceitou sua culpa, mas pediu que também fosse expulso o parafuso, alegando que 
ele dava muitas voltas para conseguir algo. 
Diante do ataque o parafuso concordou, mas por sua vez pediu a expulsão da lixa. 
Disse que ela era muito áspera no tratamento com os demais, entrando sempre em atritos. 
A lixa acatou, com a condição de que se expulsasse o metro, que sempre media os outros 
segundo a sua medida, como se fosse o único perfeito. 
Nesse momento entrou o marceneiro, juntou tudo e iniciou seu trabalho. Utilizou o martelo, a 
lixa, o metro, o parafuso. E a rústica madeira se converteu em belos móveis. 
Quando o marceneiro foi embora, as ferramentas voltaram à discussão. 
Mas o serrote adiantou-se e disse: 
- Senhores, ficou demonstrado que temos defeitos, mas o marceneiro trabalha com nossas 
qualidades, ressaltando nossos pontos valiosos. Portanto, em vez de pensar em nossas 
fraquezas, devemos nos concentrar em nossos pontos fortes. 
Então, a assembléia entendeu que o martelo era forte, o parafuso unia e dava força, a lixa 
era especial para limpar e afinar asperezas e o metro era preciso e exato. 
Sentiram-se como uma equipe, capaz de produzir com qualidade; e uma grande alegria 
tomou conta de todos pela oportunidade de trabalharem juntos. 
O mesmo ocorre com os seres humanos. Quando uma pessoa busca defeitos em outra, a 
situação torna-se tensa e negativa. 
Ao contrário, quando se busca com sinceridade o ponto forte dos outros, 
florescem as melhores conquistas humanas. 
É fácil encontrar defeitos... Qualquer um pode fazê-lo. 
Mas encontrar qualidades? Isto é para os sábios!!! 

(Autor desconhecido)

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Riqueza Semântica

Um político que estava em plena campanha chegou a uma  cidadezinha, subiu em um caixote e começou seu discurso:

Compatriotas, companheiros, amigos! Nos encontramos aqui convocados,reunidos ou ajuntados para debater, tratar ou discutir um  tópico,tema ou assunto, o qual é transcendente,importante ou devida ou morte.. O tópico, tema ou assunto que hoje nos convoca, reúne ouajunta, é  minha postulação, aspiração ou candidatura à Prefeitura deste Município.

De repente, uma pessoa do público pergunta:

- Escute aqui, por  que o senhor utiliza sempre três palavras para dizer a mesma coisa?

O candidato responde

- Pois veja, meu senhor: A primeira palavra é para  pessoas com nível cultural muito alto, como poetas, escritores, filósofos etc.  A segunda é para pessoas com um nível cultural médio como o senhor e a maioria  dos que estão aqui. E a terceira palavra é para pessoas que têm um nível cultural muito baixo, pelo chão, digamos, como aquele bêbado ali jogado na  esquina.

De imediato, o bêbado …
Strange Fruit
( Poema de Lewis Allan, pseudônimo de Abel Meeropol, publicado em 1936.)

Southern trees bear strange fruit,
Blood on the leaves and blood at the root,
Black body swinging in the Southern breeze,
Strange fruit hanging from the poplar trees.

Pastoral scene of the gallant South,
The bulging eyes and the twisted mouth,
Scent of magnolia sweet and fresh,
Then the sudden smell of burning flesh!

Here is fruit for the crows to pluck,
For the rain to gather, for the wind to suck,
For the sun to rot, for the trees to drop,
Here is a strange and bitter crop.


Autismo. Filme francês"O cérebro de Hugo"