Pular para o conteúdo principal
A professora começa a se arrepender de ter concordado (“Você é a única que tem temperamento para isto”) em dirigir a peça quando uma das fadinhas anuncia que precisa fazer xixi. É como um sinal. Todas as fadinhas decidem que precisam, urgentemente, fazer xixi. - Está bem, mas só as fadinhas – diz a professora. – E uma de cada vez! Mas as fadinhas vão em bando para o banheiro. - Uma de cada vez! Uma de cada vez! E você, onde é que pensa que vai? - Ao banheiro. - Não vai não. Mas tia. - Em primeiro lugar, o banheiro já está cheio. Em segundo lugar, você não é fadinha, é caçador. Volte para o seu lugar. - Um pirata chega atrasado e com a notícia de que sua mãe não conseguiu terminar a capa. Serve a toalha? - Não. Você vai ser o único de capa branca. É melhor tirar o tapa-olho e ficar de anão. Vai ser um pouco engraçado, oito anões, mas tudo bem. Porque você está chorando? - Eu não quero ser anão. - Então fica de lavrador. - Posso ficar com o tapa-olho? - Pode. Um lavrador de tapa-olho. Tudo bem. - Tia, onde é que eu fico? É uma margarida. - Você fica ali. A professora se dá conta de que as margaridas estão desorganizadas. - Atenção, margaridas! Todas ali. Você não. Você é coelhinho. Mas o meu nome é margarida. - Não interessa! Desculpe, a tia não quis gritar com você. Atenção, coelhinhos. Todos comigo. Margaridas ali, coelhinhos aqui. Lavradores daquele lado, árvores atrás. Arvore, tira o dedo do nariz. Onde é que estão as fadinhas? Que xixi mais demorado. - Eu vou chamar. - Fique onde está, lavrador. Uma das margaridas vai chamá-las. - Já vou. - Você não, Margarida! Você é coelhinho. Uma das margaridas. Você. Vá chamar as fadinhas. Piratas, fiquem quietos. - Tia, o que é que eu sou? Eu esqueci o que eu sou. - Você é o sol. Fica ali que depois a tia... Piratas, por favor! As fadinhas começaram a voltar. Com problemas. Muitas se enredaram nos seus véus e não conseguem arrumá-los. Ajudam-se mutuamente, mas no seu nervosismo só pioraram a confusão. - Borboletas, ajudem aqui – pede a professora. Mas as borboletas não ouvem. As borboletas estão etéreas. As borboletas fazem poses, fazem esvoaçar seus próprios véus não ligam para o mundo. A professora, com a ajuda de um coelhinho amigo, de uma árvore e de um camponês, desembaraça os véus das fadinhas. - Piratas, parem. O próximo que der um pontapé vai ser anão. Desastre: quebrou uma ponta da lua. - Como é que você conseguiu fazer isso? – perguntou a professora sorrindo, sentindo que o seu sorriso deve parecer demente. - Foi ela! A acusada é uma camponesa gorda que gosta de distribuir tapas entre os seus inferiores. - Não tem remédio. Tira isso da cabeça e fica com os anões. - E a minha Frase? A professora tinha esquecido. A Lua tem uma fala. - Quem diz a frase da Lua é, deixa eu ver... O relógio. - Quem? - O relógio. Cadê o relógio? - Ele não veio. - O quê? - Está com caxumba. - Ai, meu Deus. Sol, você vai ter que falar pela Lua. Sol, está me ouvindo? - Eu? - Você, sim senhor. Você sabe a fala da Lua? - Me deu uma dor de barriga. - Essa não é frase da Lua. - Me deu mesmo, tia. Tenho que ir embora. - Está bem, está bem. Quem diz a frase da Lua é você. - Mas eu sou caçador. - Eu sei que você é caçador! Mas diz a frase da Lua! E não quero discussão! - Mas eu não sei a frase da Lua. - Piratas, parem! - Piratas, parem. Certo. - Eu não estava falando com você. Piratas, de uma vez por todas... A camponesa gorda resolve tomar a justiça nas mãos e dá um croque num pirata. A classe é unida e avança contra a camponesa, que recua, derrubando uma árvore. As borboletas esvoaçam. Os coelhinhos estão em polvorosa. A professora grita: - Parem! Parem! A cortina vai abrir. Todos a seus lugares. Vai começar! - Mas, tia, e a frase da Lua? - “Boa noite, Sol”. - Boa noite. - Eu não estou falando com você! - Eu não sou mais o Sol? - É. Mas eu estava dizendo a frase da Lua. “Boa noite, Sol.” - Boa noite, Sol. Boa noite, Sol. Não vou esquecer. Boa noite, Sol... - Atenção, todo mundo! Piratas e anões nos bastidores. Quem fizer um barulho antes de entrar em cena, eu esgoelo. Coelhinhos nos seus lugares. Árvores, para trás. Fadinhas, aqui. Borboletas, esperem a deixa. Margaridas, no chão. Todos se preparam. Você não, Margarida! Você é coelhinho! Abre o pano. (Peça Infantil, de Luís Fernando Veríssimo)
Créditos da foto: Zeca Filho.

Comentários

  1. Adoro essa crônica!!!! um dia ainda monto ela teatralmente!!!! Tem no livro O nariz e outras crônicas, né?
    Beijocas sua linda e continue postando!!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim, é desse livro mesmo, tenho ele do tempo do Cc, e tentei montar com uma turma de quinta série,eu acho, se não me engano com a turma da Amélia e do Dudu.Beijos,lindinha!

      Excluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Mudar... mudar para alcançar Acreditando sempre ser capaz! Lutar... lutar para alcançar Questionando e obtendo resultados!(Artigo DZ9)

Strange Fruit
( Poema de Lewis Allan, pseudônimo de Abel Meeropol, publicado em 1936.)

Southern trees bear strange fruit,
Blood on the leaves and blood at the root,
Black body swinging in the Southern breeze,
Strange fruit hanging from the poplar trees.

Pastoral scene of the gallant South,
The bulging eyes and the twisted mouth,
Scent of magnolia sweet and fresh,
Then the sudden smell of burning flesh!

Here is fruit for the crows to pluck,
For the rain to gather, for the wind to suck,
For the sun to rot, for the trees to drop,
Here is a strange and bitter crop.


FILME: O CÉREBRO DE HUGO ­­­­ Ficha Técnica
Título Original: Le Cerveau d’Hugo Ano de Produção: 2012 País de Origem: França Gênero: Documentário/Drama/Ficção Roteiro e Direção: Sophie Révil Elenco: Thomas Coumans (Hugo),  Arly Jover (Elisa)
* Glosvalda Correia
O objetivo deste trabalho é apresentar as principais particularidades do AUTISMO desenvolvidas no filme “O Cérebro de Hugo”. Trata-se de um filme no formato de documentário, que explora os estudos realizados no mundo sobre o assunto, e inclui depoimentos de autistas, aspies (Asperger) e familiares. Dentro do documentário desenvolve-se a história de um personagem fictício (baseado em fatos reais), Hugo, um menino que, logo ao nascer, os pais percebem que ele é diferente: tem dificuldades para interagir com seus pais, chorava sem parar, e possuía comportamentos estranhos, como por exemplo tirar todos os livros da estante e jogá-los no chão da sala. O Autismo Asperger é uma condição psicológica de espectro do autismo caracterizada …