Pular para o conteúdo principal
DEVAGAR PARA NÃO MATAR

 Os interlocutores são o filho de um fazendeiro que estava a gozar férias no Rio de Janeiro e um colono de sua fazenda. O moço, que já há muito tempo não recebia carta de casa nem notícia de seus pais, encontrou, uma manhã, numa praça da cidade, o colono, embasbacado a olhar um arranha-céu.
 - Olá! Você por aqui, Tibúrcio!
 - Ah! O meu patrão!
- Então, você vem ao Rio e não me procura, não vem logo à minha casa?
- Ora essa! Então não havia de ir!
- Pois é, mas você ainda não foi...
- Ia lá agora mesmo...
- Você acaba de chegar?
- Não, senhor. Cheguei anteontem e, desde que cheguei, estou para ir lá agora mesmo...
 - Então. Como está tudo por lá?
- Tudo bem, sem novidade.
- E o meu cavalo predileto, o Janota?
- Ah! É verdade, esquecia-me de dizer-lhe... Esse é que não tem lá passado muito bem.
- Sim? E o que tem ele? Está doente?
- Não, senhor.
- Ah!... Você me deu um susto! Cavalo que me custou cinqüenta mil cruzeiros!...
- Não, senhor, não está doente! Morreu!
- Morreu?...
- Sim, senhor. Mas o mais vai sem novidade.
- Morreu? Mas se ele não estava doente... Morreu de algum desastre?
 - Não, senhor. Qual desastre?
- Então?...
 - Morreu do fogo que houve lá na cocheira.
- O quê? Houve fogo na cocheira?
- Sim, senhor. Queimou-se toda e o pobre Janota que estava dentro, foi-se também, coitado!
- Mas, como pegou fogo na cocheira?
- Pegou da casa.
- Da casa?
- Sim, senhor. Por mais que fizéssemos, não foi possível impedir que o fogo passasse à cocheira. Mas o mais vai sem novidade.
- Mas como foi que pegou fogo na casa?
- Foi uma vela que caiu do castiçal.
- Uma vela?
- Sim, senhor. Uma vela caiu em cima do pano do caixão e foi tudo pelos ares.
- Do caixão? Mas qual caixão?
- O caixão onde estava a defunta!...
- Que defunta?
- A senhora sua mãe. - Minha mãe? Pois minha mãe morreu?!...
- Morreu sim. Mas o mais vai sem novidade.
- Mas do que morreu minha mãe?
- De desgosto, coitadinha!
- Desgosto de quê?
- Pela morte do seu pai.
- Mas vem cá. Então meu pai morreu também?
- Não, senhor. Não morreu... Matou-se.
- Matou-se?
- Sim, senhor. Enforcou-se. Mas o mais vai sem novidade.
- Enforcou-se?!...
- Sim, senhor. Fizeram-lhe a penhora de todas as suas fazendas e ele viu que estava arruinado, que ia pedir esmola... foi a uma corda... e... zás. Mas o mais vai sem novidade, graças a Deus!
                                                                                      (Gervásio Lobato)

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Riqueza Semântica

Um político que estava em plena campanha chegou a uma  cidadezinha, subiu em um caixote e começou seu discurso:

Compatriotas, companheiros, amigos! Nos encontramos aqui convocados,reunidos ou ajuntados para debater, tratar ou discutir um  tópico,tema ou assunto, o qual é transcendente,importante ou devida ou morte.. O tópico, tema ou assunto que hoje nos convoca, reúne ouajunta, é  minha postulação, aspiração ou candidatura à Prefeitura deste Município.

De repente, uma pessoa do público pergunta:

- Escute aqui, por  que o senhor utiliza sempre três palavras para dizer a mesma coisa?

O candidato responde

- Pois veja, meu senhor: A primeira palavra é para  pessoas com nível cultural muito alto, como poetas, escritores, filósofos etc.  A segunda é para pessoas com um nível cultural médio como o senhor e a maioria  dos que estão aqui. E a terceira palavra é para pessoas que têm um nível cultural muito baixo, pelo chão, digamos, como aquele bêbado ali jogado na  esquina.

De imediato, o bêbado …
Strange Fruit
( Poema de Lewis Allan, pseudônimo de Abel Meeropol, publicado em 1936.)

Southern trees bear strange fruit,
Blood on the leaves and blood at the root,
Black body swinging in the Southern breeze,
Strange fruit hanging from the poplar trees.

Pastoral scene of the gallant South,
The bulging eyes and the twisted mouth,
Scent of magnolia sweet and fresh,
Then the sudden smell of burning flesh!

Here is fruit for the crows to pluck,
For the rain to gather, for the wind to suck,
For the sun to rot, for the trees to drop,
Here is a strange and bitter crop.


Autismo. Filme francês"O cérebro de Hugo"