Pular para o conteúdo principal

Ah, as hortênsias...


Creio que esse blog precisa de cores, de algo que o deixe mais alegre e atraente. Ainda não sei como fazer isso... me vem à mente todas as cores que vi em Guaramiranga: uma profusão de alegria, de sons e de flores. Ah, principalmete as flores, de todos os tipos e de todas cores; hortênsias, mais me encantaram as hortênsias, brancas, rosas e azuis, tão perfeitas em suas formas, espalhadas ao longo dos canteiros da praça principal da pequena cidade. E me falaram que ela, a bela flor, exala um veneno fortíssimo com o poder de causar, inclusive, o coma. Quase pensei que era uma brincadeira de quem estava me dizendo isso, talvez por me ver tão absorta na admiração da bela flor. Encarei silenciosa o meu interlocutor, na esperança de que ele me dissesse que estava brincando, que não havia veneno em tão bela flor. Ao invés disso, ele sustentou o meu olhar patético, e entrou em detalhes sobre o tal veneno, aproximando-se de mim enquanto falava. Não pude dizer nada na hora. E mesmo o que eu poderia dizer ou fazer? Apenas continuar estampando na cara o ar apalermado da minha ignorância sobre as hortênsias e do fascício que elas agora, mais do que antes, exerciam sobre mim. Pensei em tocá-las de leve, apenas roçar as pontas dos meus dedos, mas percebi que eles tremiam, e não quis demonstrar o meu medo. Juntei as mãos apertando as palmas, perguntando-me como seria seu perfume(teria?), mas fui incapaz de verbalizar ao meu agourento informante sobre hortênsia. Senti-me ridícula, mas odiei aquele homem. Não fosse ele, e eu teria tocado naquela flor azul, sentido a sua textura, e, quem sabe? aproximado dela o meu nariz bisbilhoteiro para descobrir-lhe, talvez, a doçura do perfume. Saí dali tão desolada com a informação, que nem me dei conta de que estava andando sob a chuva. Chuva fininha, é verdade, mas suficiente para me ensopar inteira em poucos minutos.

Comentários

  1. Eu tinha pego uma florzinha sim, vou nem mentir, do jeito que sou curiooosa huiahauiha
    ;x

    ResponderExcluir
  2. Owwwwwwww como você esacreve lindo, certamente quando eu crescer vou querer ser assim tb, escrever bonito, sensível e ao mesmo tempo profundo, simples. Poxa minha Glos, estou tão apalermada quanto vc com tal informação sobre as belas flores delicadas e belas. Confesso que ainda assim eu roçaria meus pequeninos dedos nelas... às vezes precisamos erra mesmo pra ter certeza até que não erraremos de novo. Imagino o tamanho da sua frustração por não tê-la feito. Adorei seu texto e seu blog... muita calma na hora de criar um blog, aprendemos a viver nesse mundinho virtual aos pouquinhos mesmo, engatinhando, ficando de pé... em breve você estará correndo on line creio eu. Beijo grande e até seu próximo post.
    Te amo gatona.

    ResponderExcluir
  3. Também não vou mentir...do jeito que sou, teria tocado com meus dedinhos nela...nem que me arrependesse depois...pelo menos eu teria saciado meu ego e minha curiosidade em saber como ela era...quem sabe se isso tivesse acontecido...hoje, através do seu blog, saberíamos melhor como seria tão bela rosa, saciaríamos tal curiosidade e através de suas palavras, tão bem escritas aqui...conheceríamos um pouco de tão bela produção de Deus....só fico pensando porquê, tão bela e venenosa? Seria isso verdade? vou dá uma olhadinha no Google...como vc diz...lá eu encontro todas as respostas para minhas perguntas e dúvidas...aguarde novos comentários...rsrsrsrssr.Bjão!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Mudar... mudar para alcançar Acreditando sempre ser capaz! Lutar... lutar para alcançar Questionando e obtendo resultados!(Artigo DZ9)

Strange Fruit
( Poema de Lewis Allan, pseudônimo de Abel Meeropol, publicado em 1936.)

Southern trees bear strange fruit,
Blood on the leaves and blood at the root,
Black body swinging in the Southern breeze,
Strange fruit hanging from the poplar trees.

Pastoral scene of the gallant South,
The bulging eyes and the twisted mouth,
Scent of magnolia sweet and fresh,
Then the sudden smell of burning flesh!

Here is fruit for the crows to pluck,
For the rain to gather, for the wind to suck,
For the sun to rot, for the trees to drop,
Here is a strange and bitter crop.


FILME: O CÉREBRO DE HUGO ­­­­ Ficha Técnica
Título Original: Le Cerveau d’Hugo Ano de Produção: 2012 País de Origem: França Gênero: Documentário/Drama/Ficção Roteiro e Direção: Sophie Révil Elenco: Thomas Coumans (Hugo),  Arly Jover (Elisa)
* Glosvalda Correia
O objetivo deste trabalho é apresentar as principais particularidades do AUTISMO desenvolvidas no filme “O Cérebro de Hugo”. Trata-se de um filme no formato de documentário, que explora os estudos realizados no mundo sobre o assunto, e inclui depoimentos de autistas, aspies (Asperger) e familiares. Dentro do documentário desenvolve-se a história de um personagem fictício (baseado em fatos reais), Hugo, um menino que, logo ao nascer, os pais percebem que ele é diferente: tem dificuldades para interagir com seus pais, chorava sem parar, e possuía comportamentos estranhos, como por exemplo tirar todos os livros da estante e jogá-los no chão da sala. O Autismo Asperger é uma condição psicológica de espectro do autismo caracterizada …