Pular para o conteúdo principal

Fortalezense protesta contra os maus-tratos a animais.

Está definido no calendário nacional: 22 de janeiro é o dia dedicado a manifestações em favor dos animais domésticos. Hoje, mais de 180 cidades brasileiras (entra elas, Fortaleza) e algumas internacionais (Nova York, Miami, San Diego) organizaram-se em torno do assunto, promovendo encontros e passeatas de repúdio à crueldade contra os animais. Aqui em Fortaleza a concentração se deu ali no calçadão da Avenida Beira-Mar, à altura da Rua Oswaldo Cruz, com a presença de vários grupos de protetores dos animais e ONG engajados nessa luta. Havia um bom número de pessoas na manifestação, mas confesso que esperei bem mais. Se bem que só cheguei quando já terminara a caminhada, e os grupos se encontravam no calçadão da Beira-Mar com faixas e cartazes que buscavam sensibilizar as pessoas que transitavam por ali, conscientizando-as da importância de se respeitar os animais, enquanto recolhiam assinaturas para um abaixo-assinado que será encaminhado ao Congresso Nacional. A intenção é exatamente essa: exigir das autoridades mais rigor no cumprimento das leis de proteção aos animais, e alterações nessas leis que obriguem as pessoas a respeitarem os direitos de todos os animais. Olhem só a frouxidão das penas para quem maltrata animais, da Lei nº 9605, de 12 de fevereiro de 1998: Animais domésticos Art. 32: Praticar ato de abuso , maus tratos, ferir ou mutilar animais silvestres, domésticos ou domesticados, nativos ou exóticos: Pena: detenção, de três meses a um ano, e multa. Parágrafo 1º: incorre nas mesmas penas quem realiza experiência dolorosa ou cruel em animal vivo, ainda que para fins didáticos ou científicos, quando existirem recursos alternativos. Aumento de pena: Parágrafo 2º: a pena é aumentada de um sexto a um terço, se ocorre a morte do animal. Mortandade de animais: Art. 54: Causar poluição de qualquer natureza em níveis tais que resultem ou possam resultar em danos à saúde humana, ou que provoquem a mortandade de animais ou a destruição significativa da flora. Pena: reclusão, de um a quatro anos, e multa. Crime culposo: Pena: detenção, de seis meses a um ano, e multa. Disseminar doença ou praga: Art. 61: Disseminar doença ou praga ou espécies que possam causar dano à agricultura, à pecuária, à fauna, à flora ou aos ecossistemas. Pena: reclusão, de um a quatro anos, e multa. Agravante na aplicação da pena: Art. 15: São circunstâncias que agravam a pena, quando não constituem ou qualificam o crime: com emprego de métodos cruéis para abate e captura de animais. Pois é. Além de insignificantes as penas previstas, ainda há o agravante do seu não efetivo cumprimento. Ninguém consegue tirar da cabeça as imagens de crueldade em que uma enfermeira espanca até a morte um pequeno cão yorkshire, diante de seu filho de 03 anos de idade. Me pergunto o que vem impedindo, até agora, que ela dê o mesmo tratamento a essa criança,pois pra mim está mais do que claro que pouca diferença há entre o carinho dispensado a uma criança e a um animalzinho indefeso que mantemos dentro da nossa casa.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Strange Fruit
( Poema de Lewis Allan, pseudônimo de Abel Meeropol, publicado em 1936.)

Southern trees bear strange fruit,
Blood on the leaves and blood at the root,
Black body swinging in the Southern breeze,
Strange fruit hanging from the poplar trees.

Pastoral scene of the gallant South,
The bulging eyes and the twisted mouth,
Scent of magnolia sweet and fresh,
Then the sudden smell of burning flesh!

Here is fruit for the crows to pluck,
For the rain to gather, for the wind to suck,
For the sun to rot, for the trees to drop,
Here is a strange and bitter crop.


Autismo. Filme francês"O cérebro de Hugo"

Riqueza Semântica

Um político que estava em plena campanha chegou a uma  cidadezinha, subiu em um caixote e começou seu discurso:

Compatriotas, companheiros, amigos! Nos encontramos aqui convocados,reunidos ou ajuntados para debater, tratar ou discutir um  tópico,tema ou assunto, o qual é transcendente,importante ou devida ou morte.. O tópico, tema ou assunto que hoje nos convoca, reúne ouajunta, é  minha postulação, aspiração ou candidatura à Prefeitura deste Município.

De repente, uma pessoa do público pergunta:

- Escute aqui, por  que o senhor utiliza sempre três palavras para dizer a mesma coisa?

O candidato responde

- Pois veja, meu senhor: A primeira palavra é para  pessoas com nível cultural muito alto, como poetas, escritores, filósofos etc.  A segunda é para pessoas com um nível cultural médio como o senhor e a maioria  dos que estão aqui. E a terceira palavra é para pessoas que têm um nível cultural muito baixo, pelo chão, digamos, como aquele bêbado ali jogado na  esquina.

De imediato, o bêbado …