Pular para o conteúdo principal

And the Oscar goes to...


Filmes já foi minha maior paixão. Ainda sou fissurada, reconheço, mas bem menos, também reconheço. Quando jovem, não se passavam mais de dois dias sem que eu fosse ao cinema, conhecia de cor e salteado todos os atores, diretores, produtores, e era imbatível numa discussão sobre o tema. Mas faz tempo, isso! Passei a ir menos ao cinema, com as crianças já não era possível a mesma assiduidade. Fui me distanciando e jogando a culpa no pouco tempo disponível. Vieram o vídeo cassete, o DVD, oh! Glória!, e passei a alugar freneticamente filmes e mais filmes, que eu via, na maioria das vezes, com os meus filhos, independente do gênero. O que fez deles, também, amantes do cinema. Ponto pra mim. Vivi uma fase em que alugava tanto filme, que chegava a devolver vários deles sem ter assistido. E as multas por não rebobinar a fita? Sem contar os que eu gravava, inúmeros, e alguns nem chegava a assistir. Um fascínio à parte? Filmes indicados ao Oscar. Adorava acompanhar as indicações a cada ano, discuti-las, concordar, discordar, implicar com as escolhas... Mesmo quando comecei a me dar conta de que tudo aquilo, na maioria das vezes, só atendia aos interesses de uma indústria que se preocupava com o lucro, apenas, e que nem sempre ser escolhido o melhor significava ser mesmo o melhor. Mesmo assim. Em nada essa ‘descoberta’ conseguiu aabalar minha paixão pelo que representava ganhar a estatueta, e eu ficava maluca pra ver todos os filmes antes do grande dia. Atualmente, com todas as possibilidades tecnológicas e facilidades de acesso a esses filmes, via downloads, inclusive, devo dizer do meu remorso pelo aparente descaso com essa maravilha que é imaginar o seu filme favorito, o seu ator ou atriz favoritos, a música que você adora, o diretor que você tanto admira, atravessando aquele tapete vermelho de doer na vista, depois de ouvir a doce e imortal “...and the Oscar goes to...” Ok, 2011, então. Quando eu assisti ao filme ‘A Origem’ fiquei fascinada e já sabia que ele, com certeza, seria indicado ao Oscar de melhor filme, no mínimo. Foi. Saindo a lista dos 10 indicados não me surpreendi nem um pouco (e nem ninguém, parece) por ele estar na relação. Mas aí eu já tinha visto ‘Cisne Negro’, e já tinha virado a casaca, alardeando que este último seria o ganhador. Fascinou-me, também, ‘O Discurso do Rei’ e me vi indecisa entre este e o de Natalie Portman, cuja interpretação me comoveu até a alma. ‘A Rede Social’ foi um dos primeiros que assisti, gostei muito, mas nunca me pareceu que ganharia. Que seria indicado eu não tinha muita dúvida não. Enfim, hoje assisti ao estupendo ‘Bravura Indômita’, e já fui dizendo por aqui que esse seria absolutamente o grande vencedor do Oscar de melhor filme. “Mesmo? E o ‘Inverno da Alma’?” Ah, é mesmo! Assisti semana passada, e estava certa minha amiga Linara: faltou uma assistente social naquele filme; como eu acho que também faltou em Bravura Indômita, mas aí já é outra história. Não assisti até o fim ‘Vencedor’ e ‘127 Horas’, em ambos precisei sair e deixei para terminar depois, e ainda não deu. Mas pretendo voltar aos dois na próxima semana, antes do dia 27. ‘Toy Store 3’ só vou ver mais na frente, porque já sei que deve ser ótimo, a julgar pelos anteriores 1 e 2, e ‘Minhas Mães e Meu Pai’ não me apetece nem um pouquinho! Tanto que ainda nem baixei. Capaz de ganhar!

Comentários

  1. você não baixou minhas mães e meu pai ??? mulher paula... poo baixar ai! olha o preconceito... vc baixa tudo, vai baixar esse também, oura mais minino... e tô esperando, viu? a prop´[osito pode me passar todos que vc já baixou pq sua filha aqui num viu ninhum dessa droga de lista!!!! to uma alienada e a culpa deve ser sua tb, suponho eu. depois que freud entrou na minha vida eu vou te reportar a culpa de tudoooooooooo, se lascou-se a si mesma ... kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk gostou do recurso linguístico bem empregado???? enfatizei direitinho o quanto vc se lascou? heheheheheh beijooooooooooo e me segue!!!!!

    ResponderExcluir
  2. Opa, então tô adiantada em relação a Nanny e atrás de Glos (olhaaaaa a intimidade, já, kkkk)! Até agora meu coração bate entre O discurso do Rei e Cisne Negro. Hj assisto Bravura Indômita! Eu viva o Copyleft, rsrsrsr

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Mudar... mudar para alcançar Acreditando sempre ser capaz! Lutar... lutar para alcançar Questionando e obtendo resultados!(Artigo DZ9)

Strange Fruit
( Poema de Lewis Allan, pseudônimo de Abel Meeropol, publicado em 1936.)

Southern trees bear strange fruit,
Blood on the leaves and blood at the root,
Black body swinging in the Southern breeze,
Strange fruit hanging from the poplar trees.

Pastoral scene of the gallant South,
The bulging eyes and the twisted mouth,
Scent of magnolia sweet and fresh,
Then the sudden smell of burning flesh!

Here is fruit for the crows to pluck,
For the rain to gather, for the wind to suck,
For the sun to rot, for the trees to drop,
Here is a strange and bitter crop.


FILME: O CÉREBRO DE HUGO ­­­­ Ficha Técnica
Título Original: Le Cerveau d’Hugo Ano de Produção: 2012 País de Origem: França Gênero: Documentário/Drama/Ficção Roteiro e Direção: Sophie Révil Elenco: Thomas Coumans (Hugo),  Arly Jover (Elisa)
* Glosvalda Correia
O objetivo deste trabalho é apresentar as principais particularidades do AUTISMO desenvolvidas no filme “O Cérebro de Hugo”. Trata-se de um filme no formato de documentário, que explora os estudos realizados no mundo sobre o assunto, e inclui depoimentos de autistas, aspies (Asperger) e familiares. Dentro do documentário desenvolve-se a história de um personagem fictício (baseado em fatos reais), Hugo, um menino que, logo ao nascer, os pais percebem que ele é diferente: tem dificuldades para interagir com seus pais, chorava sem parar, e possuía comportamentos estranhos, como por exemplo tirar todos os livros da estante e jogá-los no chão da sala. O Autismo Asperger é uma condição psicológica de espectro do autismo caracterizada …